APL Alimentos

Busca

Cadeia dos Condimentos

« Voltar


n/d

Pimentas

Este condimento pode ser elaborado com frutos de vários tipos de plantas que têm origens muito diferentes. A confusão, no entanto, pode ser facilmente desfeita quando é conhecido o nome científico da planta ou mesmo quando se sabe a que família botânica a planta pertence.

Entre as tantas pimentas conhecidas, estão as do gênero Capsicum, da família Solanaceae: Capsicum baccatum, Capsicum annuum, Capsicum frutescens, Capsicum chinense e Capsicum pubescens. Os frutos são conhecidos por um grande número de nomes populares, com destaque para pimenta vermelha, pimenta dedo-de-moça, pimenta malagueta, pimenta-de-cheiro e pimenta comari. Possuem como característica marcante a presença de capsaicina, a substância responsável pela pungência (ardência) característica, cujo grau varia de acordo com a espécie. Originárias das Américas, tornaram-se mundialmente conhecidas após as viagens de Cristóvão Colombo ao continente americano, no século 15.

A pimenta-do-reino, conhecida também como pimenta-preta ou pimenta-branca, é o fruto de uma planta trepadeira, nativa da Ásia, chamada Piper nigrum, que pertence à família Piperaceae. Os frutos dessa planta sofrem diferentes tipos de processamento, resultando como produtos a pimenta-do-reino preta e a pimenta-do-reino branca.  Muito valorizada na Antiguidade pelos indianos e pelos egípcios, a pimenta-do-reino foi alvo de intenso comércio envolvendo árabes e europeus, que iam até a Índia, por terra ou por mar, para buscá-la. Na época das Grandes Navegações promovidas por Portugal e Espanha, a pimenta-do-reino chegou a ser vendida a peso de ouro na Europa e ser aceita como moeda, tal a importância que tinha para a conservação dos alimentos, especialmente as carnes. 

Os grãos-do-paraíso, também chamados de malagueta, com sabor acre e picante, pertencem a uma espécie africana, Aframomum melegueta, da família Zingiberaceae. Era a pimenta que os povos escravizados trazidos para o Brasil a partir do século 16 conheciam. Esses povos, ao chegarem aqui, tiveram contato com as pimentas do gênero Capsicum e, pela semelhança no sabor, passaram a chamá-las também de malagueta.

A pimenta-rosa é fruto da espécie arbórea Schinus terebinthifolius, nativa da América tropical, e pertencente à família Anacardiaceaea. É abundante na região Sul do Rio Grande do Sul, onde é popularmente conhecida como aroeira-vermelha, periquiteira ou aroeira-mansa. Embora ocorra no Brasil, seu uso na culinária nacional não é tão comum como em outros países. De sabor leve e suave, foi introduzida na cozinha européia com o nome de poivre rose; seus frutos, inteiros ou moídos, são empregados em diversas preparações. 

No cerrado brasileiro há uma espécie arbórea chamada de pimenta-de-macaco, cujas sementes, escuras e rugosas, possuem sabor acentuado, explorado para a condimentação de carnes. Também conhecida como pimenta-de-negro ou pindaíba, Xylopia aromatica pertence à família Annonaceae e é usada basicamente na culinária regional, sendo pouco difundida fora do seu local de origem.

Rosa Lía Barbieri
Pesquisadora da Embrapa Clima Temperado (barbieri@cpact.embrapa.br)
Elisabeth Regina Tempel Stumpf 
Eng. Agr., Dra. em Agronomia

Região Sul

A cadeia de produção regional é composta por 70 produtores de pimenta vermelha, desde o setor primário (agricultores que produzem e desidratam) até o terciário (agroindústrias familiares). Também envolve 17 famílias de produtores rurais no município de Rio Grande, que coletam e comercializam pimenta rosa. 

 

Cebola

A Região Sul do Rio Grande do Sul é responsável pela produção de 70.000 toneladas de cebola representadas principalmente pelos municípios de maior produção como São José do Norte, Tavares e Rio Grande, mobilizando mão-de-obra familiar e empregados temporários que se aproximam a dez trabalhadores por hectare cultivado.

 

Alho-Macho

Outro produto que se destaca é o Alho-Macho, cuja rusticidade e resistência à ferrugem contribuem para bons resultados em sistema de produção agroecológico. A produção média de alho na região é de 03 ton./ha, totalizando 735 toneladas em 238 hectares.

 
 
 
 
 

Agenda

   
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031 
Eventos Data Atual
9

Reunião da Governança APL

 
 
 
 
 
 
 
 
 

Área de Abrangência

 
 
 
 

Governança





Convênio


 

Nossos Contatos

53 3275 8194

 
 
 
PluGzOne - Criação de Sites e Desenvolvimento de Sitemas Web, Mailmarketing, SMS em Pelotas - RS