APL Alimentos

Busca

Cadeia dos Condimentos

« Voltar


n/d

Pimentas

Este condimento pode ser elaborado com frutos de vários tipos de plantas que têm origens muito diferentes. A confusão, no entanto, pode ser facilmente desfeita quando é conhecido o nome científico da planta ou mesmo quando se sabe a que família botânica a planta pertence.

Entre as tantas pimentas conhecidas, estão as do gênero Capsicum, da família Solanaceae: Capsicum baccatum, Capsicum annuum, Capsicum frutescens, Capsicum chinense e Capsicum pubescens. Os frutos são conhecidos por um grande número de nomes populares, com destaque para pimenta vermelha, pimenta dedo-de-moça, pimenta malagueta, pimenta-de-cheiro e pimenta comari. Possuem como característica marcante a presença de capsaicina, a substância responsável pela pungência (ardência) característica, cujo grau varia de acordo com a espécie. Originárias das Américas, tornaram-se mundialmente conhecidas após as viagens de Cristóvão Colombo ao continente americano, no século 15.

A pimenta-do-reino, conhecida também como pimenta-preta ou pimenta-branca, é o fruto de uma planta trepadeira, nativa da Ásia, chamada Piper nigrum, que pertence à família Piperaceae. Os frutos dessa planta sofrem diferentes tipos de processamento, resultando como produtos a pimenta-do-reino preta e a pimenta-do-reino branca.  Muito valorizada na Antiguidade pelos indianos e pelos egípcios, a pimenta-do-reino foi alvo de intenso comércio envolvendo árabes e europeus, que iam até a Índia, por terra ou por mar, para buscá-la. Na época das Grandes Navegações promovidas por Portugal e Espanha, a pimenta-do-reino chegou a ser vendida a peso de ouro na Europa e ser aceita como moeda, tal a importância que tinha para a conservação dos alimentos, especialmente as carnes. 

Os grãos-do-paraíso, também chamados de malagueta, com sabor acre e picante, pertencem a uma espécie africana, Aframomum melegueta, da família Zingiberaceae. Era a pimenta que os povos escravizados trazidos para o Brasil a partir do século 16 conheciam. Esses povos, ao chegarem aqui, tiveram contato com as pimentas do gênero Capsicum e, pela semelhança no sabor, passaram a chamá-las também de malagueta.

A pimenta-rosa é fruto da espécie arbórea Schinus terebinthifolius, nativa da América tropical, e pertencente à família Anacardiaceaea. É abundante na região Sul do Rio Grande do Sul, onde é popularmente conhecida como aroeira-vermelha, periquiteira ou aroeira-mansa. Embora ocorra no Brasil, seu uso na culinária nacional não é tão comum como em outros países. De sabor leve e suave, foi introduzida na cozinha européia com o nome de poivre rose; seus frutos, inteiros ou moídos, são empregados em diversas preparações. 

No cerrado brasileiro há uma espécie arbórea chamada de pimenta-de-macaco, cujas sementes, escuras e rugosas, possuem sabor acentuado, explorado para a condimentação de carnes. Também conhecida como pimenta-de-negro ou pindaíba, Xylopia aromatica pertence à família Annonaceae e é usada basicamente na culinária regional, sendo pouco difundida fora do seu local de origem.

Rosa Lía Barbieri
Pesquisadora da Embrapa Clima Temperado (barbieri@cpact.embrapa.br)
Elisabeth Regina Tempel Stumpf 
Eng. Agr., Dra. em Agronomia

Região Sul

A cadeia de produção regional é composta por 70 produtores de pimenta vermelha, desde o setor primário (agricultores que produzem e desidratam) até o terciário (agroindústrias familiares). Também envolve 17 famílias de produtores rurais no município de Rio Grande, que coletam e comercializam pimenta rosa. 

 

Cebola

A Região Sul do Rio Grande do Sul é responsável pela produção de 70.000 toneladas de cebola representadas principalmente pelos municípios de maior produção como São José do Norte, Tavares e Rio Grande, mobilizando mão-de-obra familiar e empregados temporários que se aproximam a dez trabalhadores por hectare cultivado.

 

Alho-Macho

Outro produto que se destaca é o Alho-Macho, cuja rusticidade e resistência à ferrugem contribuem para bons resultados em sistema de produção agroecológico. A produção média de alho na região é de 03 ton./ha, totalizando 735 toneladas em 238 hectares.

 
 
 
 
 

Agenda

   
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031 
Eventos Data Atual
3

Reunião da Governança do APL

5

Reunião com SDET de Pelotas

9

91ª Expofeira de Pelotas

10

91ª Expofeira de Pelotas

11

Pavilhão da Agricultura Familiar na 91ª Expofeira de Pelotas

11

91ª Expofeira de Pelotas

12

Pavilhão da Agricultura Familiar na 91ª Expofeira de Pelotas

12

91ª Expofeira de Pelotas

13

Pavilhão da Agricultura Familiar na 91ª Expofeira de Pelotas

13

91ª Expofeira de Pelotas

14

Pavilhão da Agricultura Familiar na 91ª Expofeira de Pelotas

14

91ª Expofeira de Pelotas

15

Pavilhão da Agricultura Familiar na 91ª Expofeira de Pelotas

15

91ª Expofeira de Pelotas

 
 
 
 
 
 
 
 
 

Área de Abrangência

 
Tavares Jaguarão Arroio Grande Herval Pedras Altas Pinheiro Machado Santana da Boa Vista Amaral Ferrador Pedro Osório Cerrito Morro Redondo Chuí Santa Vitória do Palmar Rio Grande Piratini Canguçu Capão do Leão São José do Norte Turuçu São Lourenço do Sul Arroio do Padre Pelotas

 

 
 
 
 

Governança





Convênio


 

Nossos Contatos

53 3275 8194

 
 
 
PluGzOne - Criação de Sites e Desenvolvimento de Sitemas Web, Mailmarketing, SMS em Pelotas - RS